Domingo, 16 de dezembro de 2018 -
Polícia

Olhar Direto / PATRíCIA NEVES

16/05/2017 08:56:00

Professor é preso acusado de vender diplomas falsos no Araguaia

Reprodução

Um professor do ensino médio da rede pública de educação de Água Boa (730 km a Leste) foi preso pela Polícia  Civil, na sexta-feira (12), acusado de comercializar diplomas em Água boa, Nova Xavantina e Campinápolis, ao valor médio de R$ 500 a 800.

Segundo assessoria da Polícia Civil, professor há 15 anos, Dirceu Luiz Pich, 48 anos, foi autuado em flagrante por falsidade ideológica e falsificação de documento público. Ele dava aula de física e há 7 anos foi efetivado por meio de concurso público.

Conforme a delegada, Luciana Canaverde, desde o ano passado, a Polícia Civil investigava denúncias da venda ilegal de certificados do ensino médio e superior, até que identificou duas pessoas que iniciaram negociação da compra dos diplomas, mas desistiram. “Elas alegaram que somente iriam pagar e receberiam o certificado sem assistir aulas e ou fazer provas”, disse a delegada.

A partir daí, a Polícia Civil chegou a uma pessoa que comprou um certificado sem fazer aulas e provas. A Polícia Civil também apurou que o professou chegou anunciar em sua página no facebook a venda dos certificados com a informação de que os interessados deveriam se inscrever, assistir aulas pela internet e realizar provas. No entanto, conforme as testemunhas, nada disso era realizado.

Ainda conforme a Polícia, o  professou foi preso no ato do recebimento pelos Correios de um envelope com quatro certificados, expedidos por uma instituição de São Paulo. Outros cinco foram encontrados em buscas realizadas na casa do professor, totalizando 9 certificados apreendidos, prontos para serem entregues a beneficiários.

Em contato, com a instituição expedidora, em São Paulo, a Polícia Civil foi informada que os nomes nos diplomas não constam na relação de alunos e que todos os  matriculados devem assistir às aulas pela internet e fazer a prova presencial para garantir a certificação.

Os certificados foram encaminhados à Politec e outras pessoas serão ouvidas no procedimento para identificar novos beneficiários, que também poderão responder por crime de estelionato.

O professor tem antecedentes pelo mesmo delito. Ele é acusado de falsificar um certificado de 2ª Grau do próprio filho, para ele cursar universidade.

Comentar

ATENÇÃO! Os comentários são moderados pelo administrador do site.

(Todos os campos são obrigatório. Seu e-mail não será divulgado.)

Nome: E-mail: Comentário:
Restam caracteres.

Comentário(s) desta notícia

Não há comentários

Seja o primeiro a comentar esta matéria.