Terça-feira, 11 de dezembro de 2018 -
Política

Mídia News / DOUGLAS TRIELLI

05/12/2018 16:01:00

Mendes diz que MT inicia 2019 com rombo de R$ 1,5 bi nas contas

Questionado sobre emendas parlamentares, governador eleito diz que AL deve ajudar Estado

Alair Ribeiro/MidiaNews

Reunião das equipes de transição de Pedro Taques e Mauro Mendes

O governador eleito Mauro Mendes (DEM) afirmou que sua gestão deve começar o ano com uma dívida de até R$ 1,5 bilhão, que será deixada pela administração do governador Pedro Taques (PSDB). O democrata começou a receber nesta semana os dados da equipe de transição.

Por conta desse valor, pode ocorrer na próxima Lei Orçamentária Anual (LOA) vir negativa. Seria a primeira vez que isso ocorreria em Mato Grosso.

“Vamos trazer uma peça que tenha a realidade da receita para 2019, mas também da despesa programada que obrigatoriamente vai acontecer em 2019. Preliminarmente, os números apresentados mostram que temos um déficit que supera a casa de R$ 1 bilhão”, disse ele ao sair de uma reunião com o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho, na tarde de terça-feira (04).

“Ou seja, vamos começar sabendo que vai faltar quase R$ 1,5 bilhão para fechar as contas em 2019. Então, é uma realidade muito ruim, muito dura e é isso que estou mostrando aos deputados”, afirmou.

O governador eleito disse que tomará uma série de medidas para tentar mudar a realidade. Entre elas, o corte de secretarias, que sairá de 24 para 15, e até a redução de 20 empresas públicas que há em Mato Grosso.

Questionado sobre o pagamento das emendas parlamentares, Mendes disse que os deputados também precisarão ajudar o Executivo.

Na semana passada, os parlamentares aprovaram um Projeto de Emenda Constitucional (PEC) que obriga o Executivo a destinar 1% da receita corrente líquida do Estado aos 24 parlamentares, por meio de emendas.

“Temos um Estado que deve para Deus e todo mundo, não consegue honrar seu compromisso na Saúde. Existe um caos, com hospitais fechando, um caos em Rondonópolis, salários atrasados, fornecedores, praticamente todos sem receber. Deve R$ 160 milhões para os Municípios na Saúde. Então, é uma duríssima realidade financeira”, disse.

“Nós temos mostrado aos Poderes essa dura realidade. Temos mostrado o esforço que o Executivo tem feito para poder colocar a casa em ordem, para que possamos buscar esse equilíbrio. Todo mundo precisa ajudar Mato Grosso neste momento. Não só o Executivo tem que fazer esse esforço. Todos precisam ajudar”, afirmou.

Comentar

ATENÇÃO! Os comentários são moderados pelo administrador do site.

(Todos os campos são obrigatório. Seu e-mail não será divulgado.)

Nome: E-mail: Comentário:
Restam caracteres.

Comentário(s) desta notícia

Não há comentários

Seja o primeiro a comentar esta matéria.